A migração como arma geopolitica? Chegadas de migrantes da Turquia para a Europa dobra em 2019 - Geopolítica MundialGeopolítica Mundial
[email protected]+55 (61) 99682-6245 facebook

logo

publicado em:18/12/19 4:00 PM por: marcelo_mb_rj Notícias

Apesar de inicialmente considerado como um problema humanitario à ser resolvido com “politicas sociais”, na realidade é a evidência de uso de populações civis como massa de manobra polìtica contra a União Européia. A Turquia demonstrou que faz uso do estado de necessidade socia/material dessas populações para seus fins politicos, e nesse recente relatorio da União Européia foi constatado que quase 20% dos requerentes de asilo polìtico na França (por exemplo) são turcos, considerados “indesejados” pelo seu pròprio governo, o que evidencia uma “limpeza étnica” por migração forçada na Turquia.

170.000 migrantes chegaram à União Européia a partir da Turquia este ano, de acordo com um relatório confidencial da UE, levando alguns a questionar se o acordo de refugiados entre a UE e a Turquia se desfez completamente, mesmo que nã admitido publicamente pelo governo da Turquia, dentro de todas as ameaças feitas durante o ano de 2019!

O relatório confidencial da UE mostra que o número de migrantes e requerentes de asilo que atravessaram com sucesso as fronteiras da União Européa da Turquia este ano quase dobrou em comparação com 2018, informa a Die Welt .

De janeiro a meados de dezembro, 170.002 migrantes da Turquia chegaram à União Europeia , marcando um aumento de 46% em comparação com o mesmo período do ano passado. Estima-se que a quantidade de entradas ilegais não registradas possa ser o dobro ou bem mais acima…

Cerca de 168.000 desses migrantes foram da Turquia para a Grécia através do Mar Egeu. Hoje, a maioria vive nos campos de migrantes superlotados nas ilhas da Grécia. Diz-se que os migrantes restantes chegaram à Itália, Chipre e Bulgária.

30% dos recém-chegados vieram do Afeganistão, enquanto o número de pedidos de asilo na Síria foi de apenas 14%. Cidadãos turcos de diversas etnias “indesejadas” do governo turco representavam 19,5% dos requerentes de asilo.

Os centros de acolhimento de migrantes nas ilhas gregas do Egeu sofreram intensa pressão no ano passado. Para lidar com o fluxo constante de recém-chegados, o governo grego foi forçado a transferir milhares de migrantes para o continente. Desde o início deste ano até meados de dezembro, 34.000 migrantes foram transferidos para o continente grego.

O agravamento da situação na Grécia levou muitos políticos europeus a questionar se o acordo UE-Turquia està sendo respeitado pela mesma.

Sob o acordo, a Turquia é obrigada a receber de volta os migrantes que passaram pelo seu território para chegar à Europa e impedir a passagem de migrantes para a Europa. Em troca, a União Europeia paga à Turquia 6 bilhões de euros para ajudar na crise dos refugiados na Síria. Apesar de a UE pagar isso, Ancara reclama continuamente que o bloco não está fazendo o suficiente.

“Foi relatado que em algumas situações os barcos-patrulha turcos não intervieram e até empurraram barcos de refugiados para as águas gregas após serem notificados pela guarda costeira grega”, afirma o relatório confidencial da UE.

França ultrapassa a Alemanha em pedidos de asilo pela primeira vez desde 2015

A França, pela primeira vez desde o auge da crise migratória em 2015, superou a Alemanha no número de pedidos de asilo que recebeu.

No auge da crise migratória em 2015, o Escritório Francês para a Proteção de Refugiados e Apátridas (Ofpra) registrou 180.075 pedidos de asilo, enquanto a Alemanha recebeu cerca de 890.000 pedidos de relatórios do Le Monde .

Em 2018, no entanto, essa diferença entre os dois países diminuiu consideravelmente, com 84.000 pessoas solicitando asilo na Alemanha, em comparação com 123.000 na França. Este ano, o Ministério do Interior da França registrou 120.900 pedidos em 17 de novembro, em comparação com 119.900 na Alemanha, marcando a primeira vez desde 2015, quando a França recebeu mais pedidos de asilo do que a Alemanha.

“ Observamos que desde 20 de outubro, a França se tornou o primeiro país de requerentes de asilo na Europa. Trata-se, portanto, de uma anomalia estatística, na qual devemos trabalhar ”, afirmou o ministro do Interior da França, Christophe Castaner.

A mudança radical pode ser explicada pelo fato de a França receber pedidos de asilo de migrantes que tiveram seus pedidos de asilo rejeitados em outros lugares. “É por isso que estamos comprometidos a nível europeu em reformar asilo e Schengen”, afirmou uma fonte do Ministério do Interior.

Espera-se que o número de requerentes de asilo na França aumente em cerca de 10 a 15%, segundo outra fonte do Ministério do Interior. Para reverter a tendência e limitar a demanda por asilo, os funcionários propuseram que o processamento dos pedidos de asilo fosse acelerado consideravelmente. Também foi proposta a introdução de um período de espera de três meses para que os solicitantes de asilo possam acessar a seguridade social básica.

  • Com informações AFP, Voice of Europe e Reuters via redação Orbis Defense Europe.

O post A migração como arma geopolitica? Chegadas de migrantes da Turquia para a Europa dobra em 2019 apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV





Comentários



Adicionar Comentário