Skip to content

Exercícios militares de ambos os lados demonstram escalada de tensão entre EUA e Venezuela

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, convocou há alguns dias, o corpo diplomático estrangeiro para uma reunião que tinha como objetivo analisar o impacto das sanções econômicas e financeiras aplicadas pelos Estados Unidos contra o país e seus aliados.

Tal convocação, também serviu para informar que o governo enviará embarcações da Marinha bolivariana à fronteira marítima nacional e realizará novos exercícios militares em grande escala.

Segundo uma fonte ouvida e que esteve no encontro, Arreaza transmitiu aos embaixadores que o Palácio de Miraflores teme um ataque externo e como indícios deste eventual ataque mencionou, entre outros, os encontros do presidente americano Donald Trump e do chefe do Comando Sul, almirante Craig Faller, com os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Colômbia, Iván Duque.

Na conversa, o chanceler citou a decisão do governo brasileiro de retirar seus diplomatas do país. “Para o governo, esta medida do governo brasileiro faz parte de um plano, a uma ofensiva final contra a Venezuela. Também foram mencionadas provocações da Marinha dos EUA em águas internacionais próximas à fronteira marítima venezuelana”, comentou a fonte.

O governo considera que várias ações implementadas por seus adversários violam resoluções das Nações Unidas e, segundo comunicou Arreaza aos embaixadores, está avaliando uma resposta contundente.

No começo do ano, foram realizados exercícios militares inéditos no país pela quantidade de oficiais envolvidos e seria apenas o primeiro de muitos. Na opinião de analistas, um conflito militar entre a Venezuela e os EUA não é iminente, mas a tensão alcançou um novo auge e instalou-se uma guerra psicológica na região, com mensagens cada vez mais contundentes trocadas por ambos lados do conflito.

“Não vejo ninguém se preparando para um combate, ainda. Mas os sinais são fortes. Colômbia e EUA estão realizando exercícios militares conjuntos na fronteira com a Venezuela e para lá foram enviados grupos de elite que estavam numa base americana em Honduras’, afirmou o vice-reitor da Universidade Torcuato Di Tella, na Argentina, Juan Tokatlián, e especialista em temas de defesa e relações internacionais.

Os exercícios aos quais se refere Tokatlián se chamam “Vita” e estão em plena atividade no departamento colombiano de La Guajira, na fronteira com a Venezuela. Para ele, “também é importante destacar a perda de peso do Grupo de Lima (formado por 14 países do continente) e, em contrapartida, o fortalecimento do eixo entre EUA, Colômbia e Brasil”.

“Os presidentes Duque e Bolsonaro estiveram recentemente com Trump e autoridades militares americanas. Bolsonaro foi o primeiro presidente do Brasil que visitou o Comando Sul, algo realmente surpreendente e que revela algo para mim muito claro: está sendo dito aos venezuelanos que existe disposição para usar a força”, ampliou o especialista argentino.

Durante a visita de Bolsonaro aos EUA, informou-se apenas que foi assinado um acordo em matéria de Defesa e que o assunto Venezuela esteve na agenda. Embaixadores brasileiros já retirados consideraram inapropriada e preocupante a presença do presidente no Comando Sul.

“É algo revelador do momento, mostra submissão como nunca vimos. Não está claro o papel do Brasil em tudo isso, mas sim sua adesão incondicional a tudo o que for decidido pelos EUA”, disse um diplomata de longa trajetória, que pediu para não ser identificado.

Nas últimas semanas, especulações sobre um eventual bloqueio naval dos EUA à Venezuela se intensificaram. Seria um ato de guerra, lembrou Andrei Serbin Point, diretor da Coordenadora Regional de Investigações  Econômicas e Sociais (Cries), com sede em Buenos Aires.

Ele acompanha de perto e diariamente os movimentos militares em toda a região e considera que os passos dados pelos EUA buscam mostrar para Maduro que “a opção militar é viável e mais ainda se Trump for reeleito”.

“Hoje vejo uma pressão para que o presidente venezuelano aceite uma negociação que, do ponto de vista dos americanos, deve implicar sua saída do poder. Isso é tudo o que interessa a Trump e seus eleitores”, analisou Serbin Point.

Para ele, “a reposta da Venezuela tem sido mais exercícios militares e uma Força  Armada Nacional Bolivariana (FANB) permanentemente mobilizada (…) Os EUA estão tentando obrigar Maduro a negociar e a Venezuela está respondendo que não vai ceder. Um conflito militar ainda é improvável nesta instância, mas não  impossível”, frisou Serbin Point.

O que poderia provocar este conflito? Para ambos analistas, algum incidente inesperado, como aconteceu tantas vezes na História. A Venezuela de Maduro, mergulhada numa crise econômica gravíssima, está destinando recursos a exercícios militares que têm um altíssimo custo.

Nada parece indicar que o governo venezuelano esteja disposto a mudar sua posição e aceitar, por exemplo, a convocação de eleições presidenciais este ano, como exige parte da oposição, os EUA e seus aliados.

As negociações que vem acontecendo há várias semanas em Caracas preveem, apenas, renovação do Parlamento. Enquanto isso, os movimentos militares se intensificam.

Os EUA, destacou Serbin Point, vêm realizando voos de inteligência na fronteira entre Colômbia e Venezuela, onde está localizado grande parte do equipamento russo de defesa antiaérea da FANB. Paralelamente, as patrulhas marítimas na região das Antilhas Holandesas também aumentaram

“O que estamos vendo é uma troca de mensagens permanente, em linguagem militar”, opinou o diretor do Cries. Para Tokatlián, “o atual cenário mostra, também, a perda de poder do Departamento do Estado americano e o fortalecimento da posição militar quanto o assunto é Venezuela”.

  • Com informações do O Globo, por: Janaina Figueiredo


Source: DefesaTV