Skip to content

Grécia: Migrantes atacam polícia de fronteira grega com bombas de gás da polícia turca

Os confrontos entre migrantes e a polícia grega atingiram uma nova intensidade desde a quarta-feira (11), que ocorrem com frequência desde que a Turquia começou a permitir que migrantes cruzassem seu território no final de fevereiro.

Os migrantes atacaram novamente os policiais gregos durante a noite, mas desta vez usaram coquetéis molotov incendiários, que atearam fogo na cerca da fronteira na região de Evros, de acordo com um relatório dos militares que vigiam a fronteira. Muitos disparos de armas de fogo vindos da parte turca da fronteira também foram registrados em videos.

Relatos da mídia local indicam que os ataques dos migrantes estavam sendo apoiados pelas forças de segurança turcas e que, além de usar bombas incendiárias, os migrantes empregavam gás lacrimogêneo fornecido pelos turcos. Eles usaram isso na tentativa de distrair e afastar os policiais enquanto derrubavam a cerca. As forças gregas responderam com gás lacrimogêneo.

O rio Evros se tornou o ponto de inflamação nesta última crise de migrantes. Na segunda-feira, a Bulgária abriu uma de suas barragens para elevar o nível da água do rio Evros, na tentativa de dificultar a travessia dos migrantes, conforme relatado pela Voz da Europa, Reuters e AFP.

A Grécia informou que 3.348 migrantes foram presos desde o início da última crise e que sua polícia impediu que mais de 44.000 outros entrassem ilegalmente na zona Schengen da União Europeia. Vários outros países, incluindo a Áustria e a Polônia, enviaram seus próprios oficiais para reforçar a força de fronteira grega.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, estava programada para ir à Grécia na quinta-feira para tratar da emergência, mas anunciou na quarta-feira que estava cancelando devido ao surto de coronavírus.

Desde que a crise dos migrantes começou em 2015, a Turquia frequentemente usa sua capacidade de impedir que os migrantes se aproximem da Europa como moeda de troca para coagir ajuda financeira e favores políticos fora da União Europeia.

A recente declaração do presidente turco Recep Erdoğan de que ele estava “abrindo as portas” para os migrantes é uma tentativa de forçar a Europa a apoiar a Turquia em seu conflito com a Síria.

As conversações entre Erdoğan e os representantes da UE falharam na segunda-feira, quando o presidente turco saiu abruptamente da reunião, conforme relatado pela Voice of Europe. Erdoğan aconselhou a Grécia a abrir suas fronteiras, já que “essas pessoas não ficarão permanentemente na Grécia” e “atravessarão para outros países da Europa”.

Mais recentemente, Erdogan também exigiu viagens da UE sem visto para cidadãos turcos em troca da interrupção dos migrantes.

A Grécia anunciou que não aceitaria nenhum pedido de asilo por um mês. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados criticou sua decisão.

  • Com informações Reuters, AFP, Voice of Europe, Greece Times via redação Orbis Defense Europe.


Source: DefesaTV