Marinha portuguesa deseja embarcar primeiro destacamento de ‘drones’ ainda este ano - Geopolítica MundialGeopolítica Mundial
[email protected]+55 (61) 99682-6245 facebook

logo

publicado em:21/09/19 3:30 PM por: marcelo_mb_rj Notícias

A Marinha portuguesa quer embarcar ainda em 2019 o primeiro destacamento de “drones” aéreos não tripulados, equipamentos que foram testados com sucesso durante exercício realizado ao largo de Troia, nesta sexta-feira (20), e envolveu militares e navios de nove países.

“Aquilo que pretendemos é que, talvez este ano, possa se embarcar o primeiro destacamento de sistemas aéreos não tripulados”, afirmou o chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), almirante Mendes Calado, em declarações aos jornalistas a bordo da fragata Álvares Cabral.

Cerca de 852 militares e civis, apoiados por oito navios de guerra e um submarino estão envolvidos na 10.ª edição do “Recognized Environmental Picture (Maritime Unmanned Systems) – REP (MUS) 19”, o maior exercício da Marinha com uso de ‘drones’. O REP MUS 19 começou dua 09 de setembro e se estenderá até o dia 27 de setembro.

No cenário fictício criado para testar os equipamentos, um navio é pirateado ao largo da costa da Troia, distrito de Setúbal, e três pessoas são feitas reféns dentro da embarcação. A Marinha portuguesa mobiliza todos os meios disponíveis e inicia o resgate.

O navio hidrográfico D. Carlos I é ladeado por uma embarcação de assalto, do Destacamento de Ações Especiais (DAE) da Marinha Portuguesa, preparada para iniciar a operação de resgate. Como suporte a equipe estão quatro veículos não tripulados: dois de superfície e dois aéreos.

As duas lanchas não tripuladas, são pilotadas a partir do Ponto de Apoio Naval de Troia – uma das quais possui uma metralhadora na frente que pode ser comandada para abater alvos remotamente – e monitoram a embarcação pirateada, a bombordo.

Ao mesmo tempo, o ‘drone’ “Puma” orbita a embarcação, provendo vigilância permanente ao alvo, enquanto outro drone sobrevoa a embarcação de um ponto mais alto para poder ampliar o campo de visão dos fuzileiros.

As condições para realizar o resgate são avaliadas pelo comando estabelecido a bordo do D. Carlos I e também pelo comandante do grupo de assalto, que conseguem ver tudo o que os veículos não tripulados captam, de todos os ângulos.

Depois de avaliadas as condições, é dada a ordem à embarcação de assalto do DAE para iniciar o resgate, que acelera em direção ao navio e resgata os reféns poucos minutos depois da abordagem da equipa.

A operação foi um exercício incluído no “Recognized Environmental Picture (Maritime Unmanned Systems) – REP (MUS) 19”, mas os procedimentos espelharam a realidade das operações, sublinhou a Marinha.

Estas operações costumam ser executadas durante a noite (para aproveitar o fator surpresa), mas a exemplificação foi diurna para demonstrar o conceito que é a nova aposta da Marinha Portuguesa: o uso de veículos não tripulados no auxílio das missões. Esta missão, que utilizou quatro destes `drones´ militares, é apenas um dos recursos desta tecnologia.

“Através deste exercício tivemos a percepção clara da importância que este tipo de sistemas vai trazer ao futuro da nossa atividade e como vamos transformar a nossa forma de estar no mar com a ajuda destes sistemas não tripulados”, referiu o almirante Mendes Calado, acrescentando com entusiasmo que é “particularmente sensível a tudo o que é inovador”.

Para o CEMA, uma das vantagens de ter estes sistemas no apoio aos navios de busca e salvamento é poder ter vigilância mais avançada, identificar “Falsos utilizadores” do espaço e “poder setorizar o esforço” dos navios portugueses e da OTAN, com o “auxílio de um horizonte mais alargado”.

O Comandante Naval da Marinha, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, explicou que, para desenvolver estes veículos, foi necessário “reunir a academia, a indústria e as forças armadas” de vários países. De acordo com a informação disponibilizada, estiveram envolvidos no desenvolvimento destas tecnologias oito centros de investigação/universidades e 17 indústrias de diversas nações, além de terem sido necessárias 1.146 horas de navegação.

O vice-almirante Gouveia e Melo vincou que “a Marinha terá sempre que operar com navios” e que os veículos não tripulados vão complementar e multiplicar as capacidades. “Quanto mais cedo chegarmos a esse mundo, dos veículos não tripulados, mais cedo conseguiremos multiplicar a nossa capacidade e o nosso valor a custos razoáveis”, considerou o Comandante Naval.

#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano2-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano3-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano4-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano5-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano6-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano7-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item8 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano8-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item9 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano9-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item10 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano10-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item11 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano11-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item12 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano13-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item13 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano14-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item14 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano15-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5d866f2856aff .td-doubleSlider-2 .td-item15 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/09/Marinha-portuguesa-deseja-embarcar-primeiro-destacamento-de-drones-ainda-este-ano16-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}