[email protected]+55 (61) 99682-6245 facebook

logo

publicado em:26/09/19 8:50 PM por: marcelo_mb_rj Notícias

A promoção post-mortem do 1° Tenente de Cavalaria Jacques Chirac ainda não foi publicada oficialmente pelos órgãos responsáveis das Forças Armadas Francesas, mas mesmo se o falecido ex-Presidente da França jamais tivesse feito uma interessante e vibrante breve carreira militar, ainda assim ele seria digno das muitas homenagens que estão em realização na França (mesmo odiado pelo atual presidente) e nos poucos países que bem conheceram o seu trabalho geopolítico internacional, que serviu de exemplo para muitos chefes de estados, mas que infelizmente não foi ao menos minimamente copiado pelos seus sucessores na presidência da França até hoje. Dada as evidentes diferenças cronológicas, não seria exagero comparar uma parte da vida de Jacques Chiraq aos atuais líderes conservadores de nações como o Brasil, Estados Unidos e Israel. Jacques Chirac é considerado o último Presidente linha quase dura da França depois do Marechal De Gaulle, um homem que saiu da caserna para a vida pública, mas a caserna jamais saiu de seu espírito…

Jacques Chirac também foi alvo de críticas e polêmicas, quando comentava nos meios políticos internacionais sobre seus receios do destino político e social do Brasil, a nação amiga que desejava melhorias em seus meios militares com a ajuda da França, mas que politicamente se direcionava para uma realidade socialista que poderia se transformar em comunismo, caso partidos de esquerda dominassem o cenário político brasileiro. E que se caso essa dominação socialista acontecesse no Brasil, a França perderia seu principal aliado no hemisfério sul.

Presidente da República Francesa, de 1995 a 2007, Jacques Chirac acabou de nos deixar aos 86 anos. Ele morreu esta manhã no meio de sua família. Em paz “, disse Frédéric SalatBaroux, o seu genro, nesse 26 de setembro de 2019.

Quando da ocorrência dos ataques às torres do World Trade Center nos EUA, O então Presidente Chirac foi o primeiro a declarar solidariedade aos EUA pelo grave ataque do terrorismo islâmico. E para tranquilizar o povo francês ante a ameaça de ataques terroristas que prometiam derrubar a Torre Eiffel e outros importantes monumentos da França, o Presidente Chirac declara a seguinte frase em seu discurso de solidariedade aos EUA:

“Caso a França sofra qualquer tipo de ataque terrorista, não negociaremos, responderemos com ataque de armas nucleares, pois nossos submarinos estratégicos e nossa aviação de ataque já está em alerta máximo à partir de hoje!”

Nascido em 29 de novembro de 1932 em Paris, aquele que se tornaria uma das figuras emblemáticas da direita francesa tinha, em sua juventude, sonhos de aventura.

O seu pai, Abel-François Chirac (1893-1968), era empregado administrador de empresas, e mãe Marie-Louise Valette (1902-1973), dona de casa. Os avós eram de origem camponesa, ainda assim eles eram professores primários em Sainte-Féréole, no departamento da Corrèze.

Mesmo graduado bacharel em “matemática elementar”, e, embora seu pai desejasse que ele se preparasse para o concurso da École polytechnique, ele foge para embarcar como um simples marinheiro a bordo do Capitão SaintMartin, um navio de carvão, para uma campanha três meses por mares desconhecidos.

 

Jacques Chirac na infância e ao lado do Pai na adolecência em 1950. Imagens de arquivo pessoal do Presidente Jacques Chirac.

Mas seu sonho de navegar pelos mares do mundo é curto. De volta à França, ele se curvou aos desejos de seu pai e ingressou em um curso de matemática no Lycée LouisleGrand. No ano seguinte, mudou de orientação e iniciou os estudos no Instituto de Estudos Políticos de Paris, a fim de preparar o concurso da Escola Nacional de Administração (ENA), onde obteve sucesso “sem o ter desejado”. Passou também pela Summer school da Universidade de Harvard, em 1953.

Participação na Guerra da Argélia

Em suas memórias, Chirac cita quando foi inicialmente classificado politicamente à esquerda, quando ao assinar o “Tratado de Estocolmo, contra armas nucleares … Um “erro juvenil”, disse ele tempos depois, porque depois perto do SFIO Guy Mollet, Apoiador da “Argélia Francesa”, Jacques Chirac deve cumprir suas obrigações militares antes de fazer cursos na ENA. Juntou-se à cavalaria blindada e formou-se em  em Saumur, o berço da cavalaria blindada francesa.

Foto de arquivo pessoal do Presidente Jacques Chirac

Além disso, recém-casado, Jacques Chirac poderia estar satisfeito com uma posição na reserva. Mas é a ação que ele escolhe, quando se voluntaria para se juntar ao contingente militar francês na  Argélia, onde desembarcou em 1956, precisamente no setor de Souk-el-Arba, perto da fronteira marroquina, onde serviu no 6º Regimento Africano de Caçadores [RCA].

Chirac menciona nas suas memòrias:

“Para mim, a Argélia foi o período mais emocionante da minha vida. Fomos informados de que estávamos lá pela boa causa e não questionamos isso. Eu sabia que havia um governo socialista, mas esse não era realmente o meu problema na época. Para mim, ao contrário do que se pensa, foi um momento de muita liberdade e provavelmente um dos únicos momentos em que tive a sensação de ter uma influência real e direta no curso das coisas. Coisas modestas, cotidianas, mas essenciais. Porque era a vida de homens que estavam sob minhas ordens e, portanto, é o único momento em que tive a sensação de comandar “, dirá o Sr. Chirac, antes de entrar no Élysée .

De acordo com os testemunhos daqueles que estavam perto dele na época, o então Segundo Tenente Chirac era considerado um oficial corajoso e dedicado, tão autoritário quanto atento ao bem-estar de seus homens e benevolente para as populações locais.

Para ler os boletins dos amigos da 6ª RCA, supõe-se que a área de Souk-el-Arba era tudo, menos a calma, com confrontos frequentemente pesados, como o de 17 de janeiro de 1957, quando um comando, sob as ordens de Paul Anselin, foi emboscado por cem “fellaghas“. Os sobreviventes escaparam do destino fatal graças ao tenente Chirac durante os combates.

“Ainda tínhamos seis vivos quando ele chegou. Ele tomou sua decisão quando ouviu os tiros, sem esperar pelas ordens, o que lhe causou muitos problemas depois. O que você quer … Chirac queria bancar o  Grouchy novamente em Waterloo (citando o General de Napoleão). E eu não reclamo! “Contará a Paul Anselin nas colunas da Revista Figaro. “Ele era um bom combatente, e não um bom soldado, sabendo como liderar seus homens, mas sempre rápido para defendê-los contra a hierarquia ou para se afastar às pressas sem se preocupar com a burocracia”, acrescentou.

O 1° lieutenant Jacques Chirac, então com 24 ans, conduz seu pelotão do 6e régiment d’artillerie, en 1956. Imagem de arquivo pessoal do Presidente Chirac.

No final de seus 14 meses de serviço na Argélia, Jacques Chirac seria bem recompensado com uma promoção e convidado à uma carreira militar. Mas, quanto ao seu sonho de se tornar um capitão, sua vocação será perturbada novamente, pois o diretor da ENA o lembrará de que ele já assinou um compromisso com o Estado. Depois, convertido ao movimento conservador do  Gaullismo, e depois de se tornar um funcionário sênior, ele entrou no gabinete de Georges Pompidou, então primeiro ministro. Ao regressar à França, Chirac foi nomeado auditor do Tribunal de Contas francês e foi nomeado professor (maître de conférences) no Instituto de Estudos Políticos (Institut d’études politiques).

O 1° Lieutenant Jacques Chirac e sua esposa Bernadette no dia de seu casamento em 1956. Imagem de arquivo pessoal do Presidente Chirac.

Nos anos seguintes, Jacques Chirac não teve a oportunidade de exercer responsabilidades relacionadas ao mundo militar. No entanto, isso não o impedirá de se interessar por ela, a ponto de passar por um “fana mili” (fana-mili; expressão francesa para os que saem da vida militar mas não perdem a doutrina e os hábitos militares na vida civil).

O governo que ele liderou entre 1986 e 1988 como 1o Ministro (coabitação com o presidente François Mitterrand) decidiu, por exemplo, comprar aeronaves de transporte C-130H Hercules [por 1,23 bilhões de francos] e quatro Boeing E- 3 “AWACS“. E os principais programas de armas [Rafale, porta-aviões nuclear, tanque Leclerc, míssil M4, SNLE etc.] foram confirmados pela Lei do Programa Militar 1987-91, na qual o então 1° Ministro Chirac acompanhou pessoalmente e muito trabalhou para ver realizado.

https://www.ina.fr/video/CAA7501186901?fbclid=IwAR3N1xxQywM9t6ZOnQvsBFrQickAtZ46x_UIIKFJgQOuIevae1Hp6ZKPW1s

Durante seu mandato como 1° ministro as forças francesas seriam equipadas com modernos sistemas de armas que lhes permitirão efetivamente realizar suas missões em cooperação com as forças dos aliados  da França, incluindo 1.100 tanques, 500 peças de artilharia, 8.000 veículos blindados, 500 helicópteros e 450 aviões de combate”. Na época, a França atingiria a posição de 4a potência militar mundial, ultrapassando até mesmo o Reino Unido!

Eleito Presidente da República em 1995 [e, portanto, Chefe das Forças Armadas], Jacques Chirac não demorou a colocar quase todo mundo em frisson, ordenando a retomada dos testes nucleares em Mururoa (território da França no Pacifico Sul). Além disso, ele endossou a decisão de reorientar a dissuasão em dois componentes [oceânicos e aéreos] e, assim, abandonar os mísseis Hades e S3, que tornavam o território da França metropolitana um “alvo em potencial” de possìveis ataques nucleares estratégicos de eventuais inimigos.

Mas a reforma militar icônica dos anos de Chirac continua sendo a suspensão do recrutamento (medida que muitos se arrependem hoje, a julgar pelas pesquisas) em favor de um exército profissional que deveria estar melhor equipado e treinado, em quantidade menor mas mais eficiente, em um modelo que hoje é copiado por todos os países da Europa ocidental.

Os doze anos passados ​​por Jacques Chirac no Elysee (Palàcio da Presidência da República)  foram marcados por muitas operações militares externas. Como nos Bálcãs, onde encontramos, sem dúvida, o tenente de 1957, quando ele ordenou a reconquista da ponte Vrbanja, tomada pelos sérvios da Bósnia de maneira injusta. Este ataque é considerado o último ataque “fuzil e baioneta”(carga de infantaria em ataque convencional) do exército francês.
Durante este ataque, dois soldados franceses morreram em combate. “Os  soldados Amaru e Humblot morreram por um ideal da França, uma França que se recusa a se render à fatalidade e à irresponsabilidade”, declarou o presidente Chirac no funeral os militares.

“O tom geral politico antes do governo Chirac era ‘não devemos adicionar guerra à guerra’. Portanto, não tínhamos habilidades ou ordens para reagir. Mas isso mudou muito com o novo Presidente da República, Jacques Chirac.

O então Presidente considera publicamente:

“A postura em que nos encontramos é uma postura em que sofremos e não causamos dissuasão. Chegamos a um estágio em que o soldado foi ridicularizado, humilhado, mas não tínhamos meios políticos e militares para reagir. Agora, chega esse novo presidente que nos diz: ‘Espere, você ainda é soldado, ainda não é homem apenas para tirar fotos sem reagir!

Durante o mandato de Chirac, as Forças Armadas Francesas estavam envolvidas no Kosovo, Costa do Marfim [onde ele ordenou desativar a força aérea do presidente Gbagbo, após o bombardeio de Bouaké, em 2004. Afeganistão, República Democrática do Congo, República Centro-Africana e Líbano [Operação Baliste].

Se, durante esse período, a França era frequentemente implicada militarmente ao lado dos Estados Unidos, era diferente quando o presidente Chirac se opunha à vontade de seu colega americano, George W. Bush, de intervir no Iraque em nome dos Estados Unidos quando da “guerra ao terror”.

O Presidente Chirac participando do desfile de 14 de Julho na avenida de Champs Elisées. Imagem via Arquivos INA.

Dito isto, em questões de defesa, Chirac procurou defender o orçamento militar. Tarefa complicada durante a convivência com Lionel Jospin, que, nomeado Primeiro Ministro após a rápida dissolução da Assembléia Nacional em 1997, considerou os créditos militares como uma variável do ajuste orçamentário em detrimento de programas sociais considerados de lisura duvidosa na época.

“O destino de uma nação não é apenas seu desempenho econômico ou social, mas também sua capacidade de influenciar o curso dos eventos quando a ameaça surgir”, disse Chirac, um ano antes das eleições presidenciais. de 2002.

Reeleito e com uma grande maioria parlamentar, Jacques Chirac teve que trabalhar novamente para defender os orçamentos militares, que estavam agora sob a responsabilidade de Nicolas Sarkozy, então Ministro da Economia. “Eu decido, ele executa”, ele lançou em 14 de julho de 2004.

Em sua ultima chegada ao Palacio do Eliseu, a sede do governo francês, sob olhar de Nicolas Sarkozy, seu sucessor. Imagem via INA.

No nível europeu, Chirac e Tony Blair, então primeiro-ministro britânico, convocaram em 1998, na cúpula de Saint-Malo, para dotar a União Europeia de meios militares “autônomos” e “credíveis”. E salientar que a UE agirá quando a OTAN “como tal não estiver envolvida”. Desde então, essa ambição realmente não se materializou …

Finalmente, em 2006, o Sr. Chirac deu uma dose de “flexibilidade” (sob pressão política nacional e  internacional) à doutrina nuclear francesa, estendendo-a à “garantia de nossos suprimentos estratégicos e defesa dos países aliados”. E para mencionar também um possível uso da arma nuclear contra os “líderes de estados que usariam meios terroristas contra nós” e contra “aqueles que considerariam usar, de uma maneira ou de outra, armas de destruição em massa. “

Outros detalhes importantes sobre a vida e a carreira de Jacques Chirac

Condecorações:

Grã-Cruz da Legião de Honra
Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito
Grã-Cruz do Mérito da Ordem Soberana de Malta
Cruz do Valor Militar
Medalha da Aeronáutica
Cavaleiro do Mérito agrícola
Cavaleiro das Artes e das Letras
Cavaleiro da Estrela Negra
Cavaleiro do Mérito desportivo.

Obras

Tese no Instituto de Estudos Políticos (Institut d’Études politiques) sobre o tema: O desenvolvimento do porto de Nova Orléans (Le développement du port de la NouvelleOrléans), em 1954 ;
Discours pour la France à l’heure du choix, 1978 (Discurso para a França na hora da escolha)
La lueur de l’espérance : Réflexion du soir pour le matin, 1978; («O clarão da esperança: Reflexão da noite para a manhã»)
Une nouvelle France, Réflexions 1, 1994 ; (Uma nova França, Reflexões)
La France pour tous, 1995. (A França para todos)

Obras ou artigos consagrados a Chirac:

À la découverte de leurs racines, tomo I, capítulo Jacques Chirac, de Joseph Valynseele eDenis Grando. (L’Intermédiaire des Chercheurs et Curieux, 1988.) ; (Descobrindo suas raízes).
‘Chirac ou la fringale du pouvoir (Chirac e a bulimia do poder) Ed. Alain Moreau, 1977 por Henri Deligny;
Le vrai visage de Jacques Chirac (A verdadeira cara de Jacques Chirac) – Feitos e documentos. 1995 por Emmanuel Ratier;
L’Homme qui ne s’aimait pas (O homem que não se amava) por Éric Zemmour;
Chirac, père et fille (Chirac, pai e filha) por Claude Angéli e Stéphanie Mesnier (Grasset).

Noir Chirac, (Negro Chirac) por François-Xavier Vershaeve, Les Arènes, 2002 ;
Chirac? On vous avait prévenus. (Chirac? Nós tínhamos avisado!) Ed. Syllepse, 2002. por Henri Deligny;
Jacques a dit, (Jacques falou) por Jérôme Duhamel, 1997. Coletânea de citações de Chirac, reunidas maliciosamente.
D’un Chirac l’autre, (De um Chirac ao outro) por Bernard Billot, Paris : edições Bernard de Fallois, 16 de março de 2005. 558 p. ISBN 2-87706-555-3

Mandatos eletivos

Vereador e Prefeito :
1965-1971 : membro da câmara de vereadores Sainte-Féréole, Corrèze
1971-1977 : membro da câmara de vereadores de Sainte-Féréole, Corrèze
1977-1983 : membro da câmara de vereadores de Paris e prefeito de Paris
1983-1989 : membro da câmara de vereadores de Paris e prefeito de Paris
1989-1995 : prefeito de Paris, mandato interrompido após sua eleição à Presidência da República em maio de 1995. O mandato de vereador de Paris se completa normalmente nas eleições municipais no mês seguinte, junho de 1995.

Conselheiro Geral:

 
1968-1970 : membro do Conselho Geral da Corrèze
1970-1976 : membro e presidente do Conselho Geral da Corrèze.
1976-1979 : membro e presidente do Conselho Geral da Corrèze.
1979-1982 : membro do Conselho Geral da Corrèze.

Deputado

 
1967-1967 : deputado da Corrèze (1)
1968-1968 : deputado da Corrèze (1)
1973-1973 : deputado da Corrèze (1)
1976-1978 : deputado da Corrèze (2)
1978-1981 : deputado da Corrèze (3)
1981-1986 : deputado da Corrèze.
1986-1986 : deputado da Corrèze (1)
1988-1993 : deputado da Corrèze.
1993-1995 : deputado da Corrèze (4)

Eurodeputado:

1979-1980 : membro do Parlamento Europeu, demissionário.

Presidente da República :

 
1995-2002 : presidente da República
2002-até 2007 : presidente da República
(1) mandatos interrompidos após nomeações no governo

(2) eleições parciais após a demissão de seu suplente

(3) mandato interrompido pela dissolução da Assembleia Nacional

(4) mandato interrompido após sua eleição a presidência da República

Cargos governamentais

1967-1968 : secretário de Estado junto ao Ministro de Assuntos Sociais, encarregado dos dos prolemas trabalhistas (quarto governo de Georges Pompidou)
1968-1968 : secretário de Estado junto ao Ministro de Economia e Finanças (quinto governo de Georges Pompidou)
1968-1969 : secretário de Estado junto ao Ministro de Economia e Finanças (governo de Maurice Couve de Murville)
1969-1972 : secretário de Estado junto ao Ministro de Economia e Finanças (governo de Jacques ChabanDelmas)
1972-1973 : ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (governo de Pierre Mesmer (1))
1973-1974 : ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (governo de Pierre Mesmer (2))
1974-1974 : ministro do Interior (governo Pierre Mesmer (2))
1974-1976 : Primeiro-ministro (Governo Jacques Chirac (1))
1986-1988 : Primeiro-ministro (Governo Jacques Chirac (2))

O post Morre o Capitão Jacques Chirac, o último Presidente conservador e linha “quase dura” da França apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV





Comentários



Adicionar Comentário