[email protected]+55 (61) 99682-6245 facebook

logo

publicado em:31/07/19 10:00 AM por: marcelo_mb_rj Notícias

Se todos os navios mercantes que navegavam pelo planeta estivessem reunidos em um só lugar, a maioria usaria uma bandeira do Panamá no topo do mastro. Ao mesmo tempo, a maioria dos barcos seria de propriedade de um indivíduo ou empresa da Grécia .

Para as companhias de navegação, é muito comum registrar e obter uma bandeira para seus navios em outros países que não os do proprietário.

A captura do petroleiro Stena Impero  à algumas semanas,é mais uma escalada nas tensões geopolíticas do Estreito de Ormuz, é uma prova disso e o que causou grande preocupação era justamente o uso da bandeira britânica pela embarcação, que no entanto, é de propriedade de uma empresa na Suécia, e nenhum cidadão britânico estava a bordo.

Mas por que isso é tão comum na navegação e quem se beneficia?

E a questão mais frequênte é por que tantas bandeiras diversas e em maioria a do Panamá ?

Cada navio mercante deve ser registrado em um país, que é conhecido como o estado da bandeira, com o Panamá, Ilhas Marshall e Libéria sendo os principais estados de bandeira.

Cerca de 8.600 navios utilizam a bandeira panamenha. Em comparação, EUA possui cerca de 3.400 embarcações registradas e a China pouco mais de 3.700.

A maioria dos navios mercantes que possuem a bandeira do Panamá pertence a proprietários estrangeiros que desejam evitar as regulamentações marítimas muito rigorosas impostas por seus próprios países.

O Panamá opera o que é conhecido como um registro aberto. Sua bandeira oferece as vantagens de registro mais fácil (geralmente on-line) e a capacidade de empregar mão-de-obra estrangeira mais barata. Além disso, os proprietários estrangeiros não pagam imposto de renda.

Registros abertos, às vezes pejorativamente chamados de bandeiras de conveniência, têm sido controversos desde o início.

Bandeiras de navios mais comuns em 2018
(Em milhares de toneladas):

Por que escolher uma bandeira estrangeira?


Os armadores escolhem um Estado de bandeira considerando várias razões comerciais.

Estes incluem regulamentos , impostos e a qualidade do serviço prestado,  e geralmente escolhidos em escritorios  na Grécia, que é o maior armador do mundo.

Perante isto, os Estados de bandeira – frequentemente países sem infraestrutura de industria e comércio obtém grandes e fàceis fontes de renda.

Maiores armadores em 2018
(Milhares de toneladas):

O sistema permite a contratação de tripulantes de qualquer lugar do mundo , reduzindo custos.

Este sistema de “bandeiras de conveniência” tem sido criticado porque permite uma regulamentação mais flexível e até mesmo a violação dos padrões marítimos internacionais.

Mas, em geral, considera-se que as práticas de navegação melhoraram significativamente nas últimas três décadas.

Simon Bennett, da International Shipping Chamber, diz que os proprietários tendem a escolher as nacionalidades com uma bandeira do estado com base em sua reputação. O sistema, no entanto, ainda enfrenta críticas.

Segundo a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes Maritimos, o registro sob bandeira estrangeira torna mais difícil responsabilizar os proprietários por disputas salariais ou condições de trabalho .

Quem é responsável então?

 
Depois de assinar com uma bandeira, as leis desse país se aplicam ao navio e cada país é responsável pelos navios que usam sua bandeira.

Isso inclui garantir que os navios cumpram os principais padrões internacionais, por meio de inspeção e certificação de navios, diz a Organização Marítima Internacional (IMO), a agência de transporte marítimo da ONU.

Os países da bandeira assinam tratados marítimos internacionais e são responsáveis ​​por aplicá-los, com os padrões estabelecidos pela OMI no que diz respeito à construção, design, equipamentos e equipamentos de navios.

De acordo com a Convenção das Nações Unidas para o Direito do Mar, os Estados de bandeira devem tomar medidas para garantir a segurança no mar.

É comum que um registro de bandeira seja administrado em um país diferente.

Com a Libéria, por exemplo, ela é administrada por uma empresa dos EUA sediada em Washington DC. O registro da Mongólia, um país que não tem acesso ao mar , tem sede em Cingapura.

A geografia incomum do sistema de registro pode representar desafios de segurança.

Não é realista que um Estado de bandeira forneça segurança a todos os navios que possui sob seu registro,  embora os navios sejam essencialmente uma extensão desse Estado. E é ainda mais difícil para um país com muito menos recursos.

Com informações via IMO, BBC World via redação Orbis Defense Europe.

O post Nacionalidades de operador, proprietários e o amplo uso da bandeira do Panamá apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV





Comentários



Adicionar Comentário