[email protected]+55 (61) 99682-6245 facebook

logo

publicado em:26/05/19 6:18 PM por: marcelo_mb_rj Notícias

 Introdução de Yam Wanders

A obrigação de um jornalista especializado e do analista militar (quando éticos) convergem na  imparcialidade da analise dos estudos e fatos apresentados ou descobertos, sendo assim me julgo na obrigação de colocar algumas observações ao fato da divulgação desse documento entitulado “Livro Branco da SMA (Strategic Multilayer Assessment)  – Intenções estratégicas russas”.

O documento em voga foi divulgado esse mês de maio pela “NSI International” e pelo “The Artic Institute“, ambas instituições de peso na consultoria de informações estratégicas internacionais que abrangem todos os espectros da geopolítica e outras gamas inerentes para a estratégia e defesa internacional.

Porém, como os bem informados sabem, existem várias “escolas” doutrinárias que delineiam o formato das informações geopolíticas pelo mundo, e com isso podem influenciar desde eleições municipais no interior da França e até orçamentos para a NATO/OTAN, com influências até mesmo para guerras no Oriente Médio.
Dentro desse aspecto, esse “livro branco” não foge a regra, e possuiu algumas oscilações de tendências em seu escopo ideológico inicial, mesmo com toda a seriedade da fonte de seus produtores. Fatos diversos como a influência crescente da China e países árabes é esquecida, e acabam por colocar a Rússia como única vilã e responsável pela atual guerra fria contra o ocidente, sendo que desde o final da URSS, o que a Rússia tem certeza é de que não quer mais comunismo e de longe quer ser inimiga ideológica ou militar do ocidente, pois dele depende para seu crescimento econômico.
Frequentemente afirmo que; “Enquanto todos se preocupam com a Rússia, a China se expande a passos largos e países árabes plenamente fanatizados pela religião muçulmana, que se tornou ideologia islâmica radical, se organizam e se armam até os dentes com equipamentos vendidos por todos os lados, e, esses sim oferecem um risco real para o ocidente em todos os aspectos…

Apesar do documento divulgado portar os brasões do DoD – Department of Defense, os autores deixam claro que o mesmo não reflete necessariamente a opinião do Governo dos Estados Unidos da América, das Forças Armadas dos Estados Unidos, sendo de total responsabilidade dos autores ligados à NSI sendo eles; Editor:    Ms.    Nicole    Peterson    (NSI,    Inc.) Editorial    Support: Dr. Allison Astorino-Courtois (NSI,Inc.), Ms.Sarah    Canna (NSI, Inc.), Mr. Ali Jafri (NSI, Inc.), Mr.Thomas Rieger (NSI,    Inc.), Dr. John Stevenson (NSI,Inc.), Ms. Mariah Yager (NSI,    Inc.).

Obs: Ao final do texto estão os links em inglês para as publicações originais.

Boa leitura e boa analise para os que tem paciência com textos longos.

Livro Branco da SMA (Strategic Multilayer Assessment)  – Intenções estratégicas russas

Intenções estratégicas russas

Sumário executivo

Este relatorio foi preparado como parte da Avaliação Estratégica Multilayer, intitulada O Futuro da Concorrência Global e do Conflito, em resposta direta a uma série de perguntas feitas pelo Comando de Treinamento e Doutrina do Exército dos Estados Unidos (TRADOC). Vinte e três especialistas contribuíram para este white paper e forneceram avaliações abrangentes dos interesses e objetivos globais da Rússia, bem como das atividades – cinzas ou de outra natureza – conduzidas para alcançá-los. Este relatorio está dividido em cinco seções e vinte e cinco capítulos, conforme descrito abaixo. Este resumo relata algumas descobertas de alto nível do relatorio, mas não substitui uma leitura cuidadosa das contribuições individuais.

Existe um amplo consenso entre os contribuintes de que o presidente russo, Vladimir Putin, está de fato aderindo a uma grande estratégia global, que visa atingir os seguintes objetivos:

Recuperar e proteger a influência da Rússia sobre as antigas nações soviéticas

Recupere o reconhecimento mundial como uma “grande potência”

Retrate-se como um ator confiável, um importante promotor regional e um mediador de sucesso (Katz; Borshchevskaya) para obter influência econômica, militar e política sobre as nações em todo o mundo e refinar as regras e normas liberalistas que atualmente governam a ordem mundial ( Lamoreaux)

De acordo com o Dr. Robert Person, essas metas são motivadas pela profunda insegurança geopolítica da Rússia. Desde o colapso da União Soviética, a Rússia tem lutado para encontrar o seu lugar na comunidade global, que deixou a liderança com um desejo persistente de recuperar a influência e o poder que já teve. Em particular, a Rússia procura recuperar sua influência sobre os antigos estados soviéticos, que afirma estarem em sua legítima “esfera de influência” (Lamoreaux; Person; Marsh). Como resultado, um dos principais objetivos dos Estados Unidos, a saber, promover e proteger a ordem liberal internacional, entra em conflito com os objetivos da grande estratégia da Rússia. Isso sustenta a crença do Kremlin de que deve conter e restringir a influência e as atividades dos EUA na Europa e em outras partes do mundo. Como a contribuição da Sra. Anna Borshchevskaya sugere, a visão de mundo da liderança russa é soma zero; acredita que, para a Rússia vencer, os EUA devem perder. No entanto, a contribuição do Dr. Christopher Marsh sugere que essa visão de mundo não é necessariamente compartilhada pela população russa ou sua elite. Como evidenciado pelo leque de atividades da “zona cinzenta” em que se envolve, vários especialistas argumentam que a liderança russa se vê em guerra com os EUA e o Ocidente como um todo. Do ponto de vista russo, essa guerra não é total, mas sim fundamental (Goure) – um tipo de “guerra” que está em desacordo com a compreensão geral dos Estados Unidos sobre a guerra. A Rússia acredita que não há nenhuma forma inaceitável ou ilegítima de dissuasão, comporção ou gerenciamento de escalada (Goure). Também não acredita no continuum de conflito que os EUA construíram. Como a percepção da Rússia de sua competição com os EUA, sua percepção de conflito é dicotômica: a pessoa está em guerra ou não em guerra. Para lutar e vencer esta guerra, a Rússia acredita que a integração bem-sucedida de todos os instrumentos do poder estatal (Goure), bem como o emprego orquestrado de meios não militares e militares para dissuadir e forçar (Flynn), são primordiais. Além disso, os conceitos militares russos incluem opções para empregar força preventiva para induzir choque e dissuadir um adversário de conduzir operações militares e forçar uma redução das hostilidades (Flynn). Os autores observam que as estratégias da Rússia estão em constante evolução e esperam que a discrepância entre o entendimento russo e americano de “conflito” e “guerra” continue a crescer,

No geral, a influência da Rússia no exterior está crescendo e o Kremlin dominou o uso da “guerra híbrida” na condução da política externa da Rússia (Lamoreaux). A Rússia utiliza uma variedade de táticas de zona cinzenta em todo o mundo. Estes incluem o uso de forças paramilitares e outras proxies, interferência em processos políticos, exploração econômica e energética (particularmente na África), espionagem e manipulação de mídia e propaganda. Putin também é adepto de misturar elementos militares e civis para o máximo impacto (Weitz).

As táticas específicas da guerra híbrida que a Rússia usa variam por região. Na Europa, por exemplo, a Rússia utilizou propaganda, uma crescente dependência de recursos energéticos externos e manipulação política para alcançar seus objetivos principais (Schindler; Lamoreaux). Em contraste, no Oriente Médio e na África – fontes importantes de minerais e outros recursos naturais do ponto de vista russo1 – a Rússia utilizou principalmente ferramentas de exploração econômica (Katz; Borshchevskaya; Severin). Na Ásia Central, a Rússia mantém uma presença muito mais limitada, devido à proximidade geográfica da China e aos níveis atuais de engajamento econômico e de segurança de outros atores regionais (Kangas). No entanto, a Rússia retém influência na Ásia Central, como resultado de suas conexões históricas, linguísticas e culturais para a região (Laruelle; Dyet). Da mesma forma, na América Latina, a Rússia carece de uma quantidade suficiente de recursos disponíveis para implementar plenamente sua estratégia ou estender sua influência muito longe (Ellis). No entanto, como o Dr. Barnett S. Koven e a Sra. Abigail C. Kamp observam, a Rússia compensa suas deficiências ao se engajar em esforços episódicos e reativos para perturbar a influência dos EUA na região.

Embora as táticas russas variem significativamente, em todas as regiões do mundo, a energia tem sido uma fonte fundamental de poder e influência russa (Weitz; Lamoreaux; Borshchevskaya; Devyatkin; Pyatkov; Werchan). Globalmente, muitos países desenvolveram um forte relacionamento com a Rússia quando se trata de energia. As prioridades energéticas da Rússia se estendem por todo o mundo, e as nações européias, em particular, tornaram-se dependentes da Rússia para ter acesso a esses recursos. A África e o Ártico também se tornaram significativos à medida que a Rússia busca explorar oportunidades de comércio relacionado à energia.

Apesar da força da crescente influência da Rússia no exterior e do diverso leque de táticas da zona cinzenta que ela usa para atingir seus objetivos estratégicos, os EUA ainda podem limitar os resultados dessa grande estratégia. Existe um amplo consenso entre os contribuintes de que o combate às provocações russas exigirá o uso de todas os instrumentos do poder nacional. Em particular, o sucesso dos EUA dependerá de sua capacidade de influenciar populações, estados e atores não-estatais, e de sua capacidade de minimizar a influência da Rússia sobre esses atores (Bragg). Criar narrativas efetivas em cada uma das regiões cobertas neste relatorio será fundamental para alcançar esse objetivo (Kangas; Bragg). Além disso, os EUA podem combater as atividades específicas da zona cinzenta russa, como diversificar as fontes de energia para reduzir a dependência das nações européias da Rússia (Pyatkov; Werchan) e contrapor propaganda, criando tanto instituições democráticas resilientes quanto populações no exterior, particularmente na Europa (Pyatkov). Finalmente, é imperativo que os EUA estabeleçam uma definição consensual de “zona cinzenta” (Bragg) e reavaliam antigos paradigmas que definem guerra e paz, quando entramos em uma “nova era da política internacional que é definida por tons de cinza” (Weitz). Uma vez definida, uma agência federal dedicada às atividades da zona cinzenta pode ser necessária para implementar toda uma abordagem governamental para combater as atividades de influência russa no exterior (Werchan).

Visão geral do relatório

Este relatorio foi separado em cinco partes:

A Parte I analisa as principais fontes de motivação ou interesses que impulsionam as atividades e estratégias competitivas globais russas. Esta parte também aborda as questões fundamentais que estão sendo contestadas e como essas questões impactam os interesses nacionais dos EUA.

A Parte II examina, do ponto de vista russo, o que constitui uma gestão legítima ou aceitável de dissuasão, comporção e / ou escalação. A Parte II também avalia como a Rússia percebe o continuum do conflito, como ele planeja, opera e gerencia o risco dentro da zona cinzenta. Por fim, a Parte II avalia as implicações das diferenças entre o pensamento dos EUA e da Rússia para os decisores políticos e militares mais experientes.

A Parte III identifica as ações que os russos estão realizando na Zona Cinza nas seguintes regiões: a) Europa, b) Ásia Central e China, c) Oriente Médio, d) África, e) América Latina e f) Ártico.

A Parte IV identifica ações potenciais que os EUA poderiam empregar de forma proativa ou em resposta a atividades russas provocativas na zona cinzenta nas seguintes regiões: a) Europa, b) Ásia Central e China, c) Oriente Médio, d) África, e ) América Latina ef) Ártico.

A Parte V destaca as capacidades que os EUA precisam para responder efetivamente às ações que os russos estão realizando na zona cinzenta.

Parte I. O que impulsiona os interesses e estratégias globais da Rússia?

Capítulo 1: O Dr. Jeremy W. Lamoreaux identifica três motivações subjacentes à grande estratégia russa: (1) para o país ser reconhecido como uma grande potência com sua própria esfera distinta de influência; (2) a percepção da elite russa de que a Rússia tem o direito moral de predominar na “sua” esfera de influência; e (3) o desejo de ver a influência global dos EUA ser contida e, se possível, diminuída.

Capítulo 2: Usando a tradicional compreensão militar de “estratégia” como a integração coordenada de fins, meios e meios, o Dr. Robert Person explica a grande estratégia russa. O principal “fim” da grande estratégia russa no século XXI é estabelecer um “Yalta 2.0”, no qual a Rússia desfruta de uma esfera incontestável de influência na região pós-soviética, difunde a voz e a influência russas globalmente e estabelece restrições confiáveis ​​sobre Atividades de trocas de globo e mudanças de regime nos EUA. As formas da Rússia podem ser descritas como de “equilíbrio assimétrico” através de desafios na zona cinzenta para evitar que a influência incontestada dos EUA estabeleça a agenda global. Os meios da Rússia, argumenta Person, expandiram-se com o boom do petróleo, permitindo que investimentos críticos e aumentos nos gastos com defesa fossem feitos.

Capítulo 3: Usando dados de pesquisas, o Dr. Thomas Sherlock mostra que nem o público de massa russo nem as elites russas acreditam que o Ocidente, particularmente os Estados Unidos, representa um perigo militar ou político para o Estado ou regime russo. Embora tanto as elites quanto os membros do grande público apóiem ​​a restauração do status de grande poder da Rússia, elas freqüentemente definem uma grande potência e suas prioridades mais em termos de desenvolvimento socioeconômico doméstico do que na produção e demonstração de poder duro. Essas perspectivas cada vez mais entram em conflito com as do Kremlin.

Capítulo 4: Dr. Richard Weitz explora as principais motivações e interesses que impulsionam as atividades e estratégias competitivas globais russas. Ele discute como os estrategistas russos escolhem habilmente as ferramentas da zona cinza otimizadas para seus objetivos. Essas ferramentas geralmente incluem forças paramilitares, exploração econômica e energética e manipulação de mídia e propaganda. Ele sugere que Washington deve reavaliar velhos paradigmas entre guerra e paz para manter a primazia estratégica nessa nova era da política internacional que é definida por tons de cinza.

Capítulo 5: Dr. Christopher Marsh assume uma das questões mais importantes em torno da política externa russa: se o presidente Vladimir Putin tem uma estratégia abrangente. Em seu artigo, ele descreve a grande estratégia de Putin para a Rússia e o mundo. Ele também analisa cada um dos interesses da Rússia e em que medida eles representam uma ameaça aos interesses nacionais vitais dos EUA.

Parte II. Como a Rússia percebe a dissuasão, a comporção, o gerenciamento de escalonamento e o contínuo de conflitos?

Capítulo 6: Dr. Daniel Goure argumenta que, de acordo com o pensamento estratégico russo, a Rússia já está em guerra com o Ocidente. Não existe um conceito separado de zona cinzenta: a guerra não é total, mas é fundamental para a perspectiva russa. Segue-se que a capacidade da Rússia de gerenciar riscos na chamada zona cinzenta é uma função de sua integração bem-sucedida de todos os instrumentos do poder do Estado.

Capítulo 7: O Sr. Daniel J. Flynn descreve as estratégias russas coercivas que envolvem o emprego orquestrado de meios não militares e militares para dissuadir e forçar os Estados Unidos antes e depois de qualquer surto de hostilidades. O risco para os EUA é que essas estratégias aumentem o risco de erro de cálculo e escalada durante uma crise futura envolvendo os Estados Unidos.

Parte III Quais ações da Zona Cinza estão sendo realizadas pela Rússia em todo o mundo?

Capítulo 8: Dr. John Schindler identifica as atividades russas na Europa dentro de um quadro histórico e ideológico. Ao fazê-lo, ele identifica as principais semelhanças e diferenças entre o regime de Putin e a Rússia czarista, bem como o regime e a União Soviética. Instituições russas atuais e discurso religioso são examinados, e Schindler prevê que o Kremlin irá agir agressivamente em vários domínios, incluindo os poucos nos quais ele tem uma vantagem contra os Estados Unidos e seus aliados. Ele sugere que um futuro a curto prazo da “Guerra Especial” (isto é, operações de baixo nível que caiam abaixo do limiar de guerra declarada) será o modus operandi russo e adverte os políticos americanos e aliados para se protegerem contra tais ações.

Capítulo 9: O Dr. Jeremy W. Lamoreaux explica que a lista de atividades russas na Europa permanece longa e complexa, e os meios que o Kremlin usa para semear a instabilidade abrangem os domínios geopolítico, econômico, diplomático e militar. Neste capítulo, o Dr. Lamoreaux presta especial atenção à capacidade da Rússia de propagar a discórdia social, particularmente através de populações ligadas à Rússia nos Estados Bálticos. Essas populações, sejam participantes ativas ou passivas em uma campanha, são vulneráveis ​​às ações russas destinadas a enfraquecer a coesão social nesses estados. Curto de cada lado aceitando de má vontade as reivindicações do outro no continente (o que é improvável), a Rússia e o Ocidente provavelmente ficarão presos em algum nível de competição para o futuro próximo.

Capítulo 10: Dra. Marlene Laruelle afirma que, apesar de um campo mais cheio de grandes estados competindo por influência na Ásia Central, a Rússia ainda mantém uma posição privilegiada como “a primeira entre iguais”, devido às suas conexões históricas, lingüísticas e culturais aos estados. na região. A Rússia pode exercer poder remunerativo, punitivo e ideológico sobre os estados dentro do bloco. Tentou desenvolver suas relações diplomáticas, econômicas e militares com os estados da região, com vários graus de sucesso. Embora o espaço para as grandes potências exercerem influência tenha se tornado mais abarrotado, devido a aberturas relativamente recentes da China e dos Estados Unidos, essa região não é necessariamente um local de competição estatista de soma zero, devido a objetivos compartilhados por essas grandes potências.

Capítulo 11: O Dr. Mark N. Katz explica que, embora os Estados Unidos e a Rússia compartilhem uma série de objetivos no Oriente Médio, os meios pelos quais a Rússia busca atingir esses objetivos provavelmente continuarão a entrar em conflito com os Estados Unidos. . O Kremlin se apresentou como um interlocutor confiável e parceiro de nações do Oriente Médio, algumas das quais temem o compromisso hesitante dos Estados Unidos recentemente. Animado em grande parte pelos temores de uma população muçulmana inquieta que poderia acabar dentro de suas fronteiras, além de preocupações econômicas e de prestígio, Vladimir Putin vem conduzindo uma diplomacia hábil na região. No entanto, sua estratégia é vulnerável a choques no sistema e pode não ser capaz de resistir às revoltas ao estilo da Primavera Árabe / Revolução das Cores dentro da região.

Capítulo 12: A Sra. Anna Borshchevskaya destaca a série da Rússia de iniciativas de divulgação multifacetada na África. Através de meios econômicos, militares e outros, a Rússia está criando uma dependência intencional entre os líderes políticos e militares do Norte da África, com apoio contínuo da Rússia. Para regimes mais autocráticos, o apoio da Rússia destina-se a fornecer um escudo contra a influência ocidental na área através da formação de alianças com os homens fortes do país, enquanto serve como intermediário para a resolução de conflitos locais. Os principais interesses da Rússia incluem ganhar e proteger o acesso à costa do Mediterrâneo, enquanto explora as oportunidades de energia e comércio. A intenção desses esforços é aumentar a influência política, em vez de uma resolução genuína para o povo do Norte da África.

Capítulo 13: A Sra. Malin Severin argumenta que a Rússia acredita que está atualmente engajada em um conflito multifacetado com o Ocidente e é limitada pelas políticas e ações ocidentais. Como tal, a Rússia estabeleceu vários pontos de apoio na África. A presença russa vai além da busca de recursos naturais; A Rússia colocou empreiteiros e consultores militares privados em vários regimes africanos, incluindo a República Centro-Africana, entre outros. Essas ações refletem uma estratégia semelhante àquela revelada pelas atividades russas na Ucrânia e na Síria, e o envolvimento provavelmente aumentará, já que os EUA podem tomar medidas para limitar a presença ocidental na África.

Capítulo 14: O Dr. R. Evan Ellis explica que a atividade russa na América Latina, embora limitada por recursos e eventos geopolíticos, tem se concentrado historicamente nos regimes cubano, venezuelano e nicaraguense, embora não se limite apenas a esses regimes. Ao tentar criar bases econômicas e militares, a Rússia busca oportunidades para expandir sua influência na região. Apesar dos contratempos devido a eventos regionais, a Rússia provavelmente continuará a explorar formas de alavancar e explorar oportunidades para aumentar sua presença militar e econômica na América Latina e no Caribe.

Capítulo 15: Pavel Devyatkin escreve que as atividades da Rússia no Ártico incluíram mais cooperação multilateral e se concentraram em garantir o acesso às rotas marítimas do norte e à extração de energia. A formação do Conselho do Ártico entre a Rússia e outros países do Ártico permitiu a cooperação na resolução de reivindicações territoriais, assim como operações de derramamento de óleo e de busca e salvamento. Estrategicamente, a região do Ártico desempenha um papel significativo nas prioridades energéticas, econômicas e de defesa da Rússia, como evidenciado pelo tamanho e atividades da Frota do Norte, bem como menção frequente na doutrina publicada na Rússia.

Parte IV Como os EUA devem combater as atividades da Zona Cinza Russa em todo o mundo?

Capítulo 16: Sr. Romano “Camarada” Pyatkov discute possíveis ações globais para combater atividades russas provocativas. A Estratégia de Defesa Nacional dos EUA (NDS) chama as ações russas para minar a OTAN e modificar as organizações econômicas e de segurança da Europa e do Oriente Médio a seu favor (resumo da Estratégia Nacional de Defesa, p. 2). O combate às provocações russas requer todos os instrumentos do poder nacional, e as respostas dos EUA podem ser proativas e reativas. Proativamente, os Estados Unidos podem fortalecer os sistemas democráticos de governança de seus aliados e parceiros, enquanto reduzem sua dependência da energia russa por meio da diversificação de fontes de energia. Para combater os representantes militares russos, os Estados Unidos podem aumentar as capacidades de aliados e parceiros. Enquanto isso,

Capítulo 17: O Dr. Jeremy W. Lamoreaux se concentra em combater a influência russa nos Estados bálticos. Ele escreve que a influência russa na Europa acontece principalmente através de técnicas de “guerra híbrida”. Para combater isso, os Estados Unidos devem tomar medidas para fortalecer o liberalismo econômico, político e social em toda a Europa. O liberalismo econômico e político criam estados fortes, capazes de fornecer as instituições necessárias para o liberalismo social. O liberalismo social, quando é mantido pelo estado de direito, ajuda a criar uma população mais diversa, porém unida, mais comprometida com o Estado e com suas instituições básicas, e menos propensa a ser influenciada por fontes externas (neste caso, a Rússia ).

Capítulo 18: Dr. Roger Kangas recomenda uma abordagem dos EUA para as atividades russas em toda a Ásia Central. Ele começa discutindo as dificuldades particulares da Ásia Central, geopoliticamente. Entre as sub-regiões do mundo, a região da Ásia Central é uma das regiões mais difíceis de delinear ações claras para os EUA, simplesmente por causa das vantagens que outras grandes potências têm, devido à proximidade geográfica e às taxas atuais de crescimento econômico e econômico. engajamento de segurança. Dada essa realidade geopolítica na Ásia Central, os EUA têm um papel limitado a desempenhar. Se as “ferramentas de engajamento” forem exercidas de forma consistente e clara, os EUA podem ter uma influência positiva na região. Os países se irritam coletivamente com essa noção de que fazem parte de um “Russian Near Abroad”. Autoridades e analistas da região discutem repetidamente a necessidade de escolher seus caminhos futuros de engajamento, seja em termos de relações de segurança multi-vetorizadas ou diversificando as rotas de comércio e exportação / importação. Esses sinais podem ser abordados por políticas e ações dos EUA. O abster-se de precisar dos EUA para atuar como um “balanceador” é ouvido de tais atores, assim como muitos na comunidade de Washington DC que se concentra na Ásia Central. Para fazer isso, os EUA devem ser capazes de moldar sua própria narrativa na região, combatendo uma mensagem russa bastante sarcástica que pinta os EUA sob uma luz negativa.

Capítulo 19: Dr. Robert Spalding III discute como o papel dos EUA em relação à Rússia deve ser continuar a envolver os aliados europeus para assumir a liderança para o equilíbrio na Europa. O objetivo dos aliados deveria ser a dissuasão. Ao mesmo tempo, os EUA deveriam envolver a Rússia bilateralmente para afastá-los da órbita da China. Os EUA podem trabalhar com a Rússia de maneiras que melhorem o relacionamento EUA-Rússia, sem prejudicar os esforços europeus para equilibrar e deter. Isso pode ser aplicado ao se envolver com a Rússia em outros domínios regionais ou funcionais que não diminuam os esforços europeus para deter.

Capítulo 20: MAJ Adam Dyet argumenta que, enquanto o colapso da União Soviética apresentou aos EUA novas oportunidades de engajamento na Ásia Central, as opções para expandir a influência dos EUA na área continuam limitadas. Ele argumenta que, apesar da ira da Ásia Central nas atividades russas na Ucrânia, a influência russa na área continua alta, e os formuladores de políticas dos EUA devem adotar uma abordagem cuidadosamente moderada ao envolvimento na Ásia Central. Sugestões de atividades diplomáticas, de segurança e econômicas que os EUA poderiam empreender são oferecidas, assim como advertências sobre pisar linhas vermelhas russas de longa data.

Capítulo 21: MAJ Adam Dyet discute uma variedade de maneiras pelas quais os Estados Unidos podem responder às atividades da zona cinzenta russa no Oriente Médio – cujo equilíbrio, ele argumenta, está diretamente ligado à cultura estratégica russa e a uma visão de mundo baseada em uma história. de invasão e cerco militar.

Capítulo 22: O Dr. Joseph Siegle discute os interesses russos em África, nomeadamente o acesso a recursos naturais e novos mercados para produtos russos, incluindo armas. Ele argumenta que, como resultado, a Rússia tende a apoiar regimes autocráticos ou não-exclusivos, dando aos EUA uma oportunidade de se distinguirem na África, adotando uma política assertiva contra líderes corruptos individuais e engajamento positivo, enquanto também apoiam reformas democráticas.

Capítulo 23: Dr. Barnett S. Koven e Sra. Abigail C. KampExplique que as atividades da Rússia na América Latina foram em grande parte uma extensão de seus esforços para operar na zona cinzenta entre o conflito militar aberto e as operações normais em tempo de paz. Na América Latina, o Kremlin se engajou em campanhas eleitorais de interferência eleitoral e desinformação para impor custos aos adversários. No México, a mídia russa apoiou vocalmente um candidato escolhido, e observadores notaram a atividade de bots e trolls em apoio à agenda desse candidato. Na Colômbia, a Rússia forneceu armas para as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), uma insurgência de esquerda, mas desde o recente acordo de paz do grupo com o governo colombiano, o Kremlin pode precisar mudar de tática para manter a influência nela. Dinâmica política complexa da Colômbia, no entanto,

Parte V. Que Capacidades os EUA precisam para responder efetivamente às atividades da zona cinzenta russa?

Capítulo 24: A Dra. Belinda Bragg fornece um resumo das descobertas de um projeto da SMA sobre conflitos na zona cinzenta, observando a importância de definir uma definição clara da “zona competitiva” dentro da qual ocorrem atividades cinzentas. Ela também observa que uma resposta efetiva dos EUA a essas atividades requer capacidades adicionais para influenciar populações estrangeiras e bloquear os esforços de outros para manipular o sentimento popular.

Capítulo 25: O Sr. Jason Werchan argumenta que a forma de governança da Rússia lhe confere “flexibilidade significativa” e uma vantagem sobre os EUA quando se trata de atividades na zona cinzenta. Os EUA precisam de uma verdadeira abordagem de todo o governo para combater a Rússia nessa área. Werchan sugere que o governo dos EUA identifique uma agência federal líder para as atividades dos EUA na zona cinzenta. Ele também encoraja o desenvolvimento da “capacidade dos EUA de efetivamente fomentar a desconfiança e desconforto entre a Federação da Rússia e a China”, bem como os esforços dos EUA para reduzir a dependência européia dos recursos energéticos russos.

Autores | Editores:

 Arquilla, J. (Escola de Pós-graduação Naval); Borshchevskaya, A. (Instituto Washington para Políticas do Oriente Próximo); Bragg, B. (NSI, Inc.); Devyatkin, P. (The Arctic Institute); Dyet, A. (Exército dos EUA, J5-Policy USCENTCOM); Ellis, RE (Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército dos EUA); Flynn, D. (Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (ODNI)); Goure, D. (Instituto Lexington); Kamp, A. (Consórcio Nacional para o Estudo do Terrorismo e Respostas ao Terrorismo (START)); Kangas, R. (National Defense University); Katz, M. (Universidade George Mason, Escola Schar de Políticas e Governo); Koven, B. (Consórcio Nacional para o Estudo do Terrorismo e Respostas ao Terrorismo (START)); Lamoreaux, J. (Universidade Brigham Young – Idaho); Laruelle, M. (Universidade George Washington); Marsh, C. (Associação de Pesquisa de Operações Especiais); Pessoa, R. (Academia Militar dos Estados Unidos, West Point); Pyatkov, R. (HAF / A3K CHECKMATE); Schindler, J. (The Locarno Group); Severin, M. (Centro de Desenvolvimento, Conceitos e Doutrina do Ministério da Defesa do Reino Unido (DCDC)); Sherlock, T. (Academia Militar dos Estados Unidos, West Point); Siegle, J. (Centro Africano de Estudos Estratégicos, National Defense University); Spalding, R. (Força Aérea dos EUA); Weitz, R. (Centro de Análise Político-Militar do Instituto Hudson); Werchan, J. (Divisão de Estratégia USEUCOM e Iniciativa Estratégica da Rússia (RSI)); Peterson, N. (NSI, Inc.) (Centro Africano de Estudos Estratégicos, National Defense University); Spalding, R. (Força Aérea dos EUA); Weitz, R. (Centro de Análise Político-Militar do Instituto Hudson); Werchan, J. (Divisão de Estratégia USEUCOM e Iniciativa Estratégica da Rússia (RSI)); Peterson, N. (NSI, Inc.) (Centro Africano de Estudos Estratégicos, National Defense University); Spalding, R. (Força Aérea dos EUA); Weitz, R. (Centro de Análise Político-Militar do Instituto Hudson); Werchan, J. (Divisão de Estratégia USEUCOM e Iniciativa Estratégica da Rússia (RSI)); Peterson, N. (NSI, Inc.)

 

Links de referências:

 

https://nsiteam.com/sma-white-paper-russian-strategic-intentions/ 

 

https://nsiteam.com/social/wp-content/uploads/2019/05/SMA-TRADOC-Russian-Strategic-Intentions-White-Paper-PDF-1.pdf

O post O “Livro Branco” das Intenções estratégicas russas apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV





Comentários



Adicionar Comentário